terça-feira, 28 de outubro de 2008

Virtual é real?

Escrever é uma paixão tão absurda que conversar por palavras digitadas exerce em mim um estranho fascínio. Quando começamos a nos corresponder, ele me parecia mais perto do que se tivesse ao meu lado, no meu sofá, na rede da minha varanda. Ele sabia tanto de mim e eu queria contar mais e mais.

E você, gosta de encontros virtuais? Gosta de escrever? Conhece alguém só por escrito? Para você é mais fácil falar ou escrever? Conte a história aqui no blog que eu convenço a Luciana a colocar um post com a mais interessante.

12 comentários:

Valéria Martins disse...

Oi, Luciana. Obrigada pelo comentário!
Eu adoro escrever desde criança. Estava ontem mesmo procurando a minha carteira de trabalho, que ainda preciso encontrar para dar baixa no emprego, fui remexer minhas pastas e encontrei quilos de coisas que escrevi dos 18 aos 20e poucos. E olha que eu sempre me cobrei por escrever "pouco".
Em seis meses de blog, posso dizer que tenho uma amiga virtual bem bacana, é a Pamela, do blog Respirando-me. Vaí lá que ela tem links pra outros blogs bacanas. É uma garotada de 20 anos, mas é muito bom conhecer o universo deles também.
E agora você, uma nova amiga virtual. Quer dizer, até eu ir a SP e a gente se conhecer. Beijos!

FABIANA BORGIA disse...

Não gosto de encontros apenas virtuais. Acho que o virtual complementa o contato físico, mas não supre a ausência do outro. Gosto de cartas. O virtual possibilita isso, o ato de escrever, que é o ato que despe. Eu, pelo menos, tenho muito mais facilidade de expressar meus sentimentos por escrito do que oralmente. O escrito não é mais verdeiro, mas mais intenso. E para dizer a verdade, eu ainda prefiro as cartas escritas à mão, já que a letra também é um ato dotado de personalidade, exclusivo, como nossas digitais. Isso é único, não? Luciana, infelizmente não poderei ir ao seu lançamento, porque moro no Rio e no dia seguinte será o meu, mas com certeza vou ler seu livro. Beijos
Fabiana Borgia

Valéria Martins disse...

Oi, Luciana! Quero novo post, cadê? Bjs

Adriana Mendes disse...

Luuuuu !!! Já gosto da Jussara e do Francisco. To loca pra conhecê-los melhor.
Bjocas
dri

eça disse...

Jussara, o virtual é quase tão real quanto o real. Na verdade, deixa de ser virtual a partir do momento em que as pessoas começam a falar, a se conhecer, a se expor porque, sentimentos, afetos e etc., não são virtuais.
A propósito, tem uma pessoa que conheço só "virtualmente": a Pinsky

luciana pinsky disse...

Valéria, em breve, muito breve, publico outro texto, prometo. E vai ser um conto.

Fabiana, claro, eu entendo... e minha editora fica aí no Rio mesmo. Provavelmente, o sujeito oculto chega antes aí do que aqui.

Dri, daqui a pouquinho Francisco e Jussara estarão por aqui! Obrigada! E gostei do seu blog.

jussara disse...

Oi Valéria, pelo pouco que conheço do mundo virtual, percebi que ela é a casa de muitos adolescentes/jovens. Mas o divertido é qualquer um pode mudar a decoração e transformar em algo do seu estilo...

Fabiana, eu concordo, carta à mão tem outro charme. O problema é que a letra da gente vai piorando na mesma proporção que a digitação vai aumentando de velocidade... E a dúvida é se o pensamento segue as mãos ou se as mãos que segue o pensamento...

Eça, deve ser porreta ser amigo da Luciana pela internet. Digamos assim que também eu não a conheço em carne e osso!

beijos a todos,

Jussara

Rafael Belo disse...

Gosto de falar, gosto de escrever e gostei de ver o blog no blog do noblat! Bom tenho três histórias! COntarei a segunda que levou a terceira daí volto para a primeira.

Durante curta parte da minha vida não depositei muita fé no convívio virtual sincero - a não ser por quem já conhecía. Pois, bem que de uma eventualidade - depois de uma espionagem virtual - cedi. Eu e meu primo fomos coonhecer uam amiga dele. Na porta da casa da tal amiga a mão anuncia a ausência da filha. Fomos embora e assim que pude a procurei e adicionei no orkut e no msn. Conversei com ela virtualmente e só. O acaso não é sobre ela só a envolve. Algum tempo depois a amiga dela do interior. Procura meus endereços virtuais e pede para a adicionar. Desconfiado pacas, vasculho tudo sobre a garota e acabo decidindo não precisar mais da desconfiança.

Trocamos textos e descobrimos amigos reais em comum. Mandei meus contos, poesias e escritos em geral em mutias ocasiõe até que finalmente ela (namorando) decidiu me ver e veio para a capital. Saí recheado de elogios e fiz o mesmo. Depois antes de casar ela me disse gostar de outra maneira (além da amizade) de mim. Casada desapareceu e recentemente (quase um ano depois) reapareceu revelando saudades. Foi minha primeira vez...

Rafael Belo disse...

A terceira - segunda da seqüência -ocorreu humildemente pelos elogios (modéstia parte) aos meus textos pela garota da minha primeira vez... Por meio da curiosidade adquiri um bom amigo, quase na casa dos 50. Ele pediu para que postasse umas prosas e uns versos que havia enviado para nossa, então, conexão. Eu disse não haver problema e assim começou. Escrevi e enviei poucos mais de 100 poesias e pouco mais de 50 textos. Nos falamos por telefone o auxiliei com currículos literários e apresentações de sites (ele é dono de uma empresa que cria sites). Há cinco meses, um hacker implodiu os negócios dele e até hoje ele tenta se reestabelecer. Em agosto mandei minhas últimas criações e por enquanto não mandei mais... Sempre estamos em contato - eu sempre mudando e ele de Curitiba. Aliás, por meio dele fiz um trabalho literário no currículo do pai de uma grande atriz que adimiro e depois uma poesia homenageando a própria que (educadamente ou não) elogiou. Ah, infinito mundo virtual!

ps: tenho mais uma... Não!Teho duas e desta outra que ainda nem menionei que seria a quarta surgiram outras... ANtes que me esqueça: Gostei da NUDEZ! Fica para outra oportunidade as outras histórias. beijos

Anônimo disse...

queria lhe contar uma história. depois você publica se quiser. ou poderá mudá-la, apropriar-se de partes, enfim, faça como quiser. existe um email para onde possa mandá-la?

jussara disse...

Anônimo,
Você pode escrever aqui mesmo. Se for muito grande, mande em partes. Não tem problema. O e-mail eu acesso pouquíssimo. É jussarasujeitoarrobahotmail.com . Se mandar para lá, avise-me.
Fico esperando!
Abraço,
Jussara

jane disse...

Lu, adorei o livro li no mesmo dia e vou te dizer, foi uma mistura de tristeza e esperança...sei q é um filhote ainda, mas me passou tanta vitalidade, tanta jovialidade nas relações e um diexa para lá q vamos enfrente...somente me ficou uma duvida....para Francisco, a relação deles deixa tanto como é no inverso?
kkkk
Amei....engraçado que é a primeira vez que leio algo do qual eu sei como a pessoa é, fiquei procurando a Lu escondida na Jussara, engraçado ne??? e tentando adivinhar qm era o francisco...ou "Chico"...kkk
bjs
Jane